Destino

Já Lobo Antunes dizia "Por que é que havia de me sentir sozinho? Raras vezes na minha vida, desde que me lembro de mim, tive um sentimento de solidão. E não me sinto mal na minha companhia, divertimo-nos muito os dois, eu e eu. Não me aborreço". Eu ao contrário, não me aborreço propriamente mas simplesmente não quero pensar em mim e não quero estar comigo, sinto-me estupidamente solitária, mesmo quando acompanhada… eu acho que… quase toda a minha vida.

Há medida que o tempo avança muita coisa muda para melhor, nomeadamente, a capacidade de lidar com os outros, a relativização das situações e pessoas, um “je ne sais quois”  de serenidade, mas também se intensifica a sensação de solidão, de um percurso  feito apenas connosco, não porque não haja pessoas que gostam de nós… mas apenas pessoas que não sabem como interagir connosco. Alguém, ou vários alguéns, me disseram que sou muito intensa, também dizem que sou muito bonita… mas eu não sinto nada, não… sinto nada.
Sinto que sou um misto de contradições e não consigo efetivamente me inserir num determinado contexto… apenas flutuo nesse espaço tentando ser invisível, o que nem sempre é fácil para uma pessoa curiosa.

“Sinto-me um jovem neste corpo de velho” parece um cliché mas na realidade é muitas vezes assim. Não me sinto uma jovem num corpo velho, mas sinto que sou mais capaz do que aquilo que o meu corpo me permite. Cresci ao longo dos tempos e ainda assim o meu corpo só envelheceu…  O meu corpo cresceu literalmente, para os lados e para a frente mas a minha cabeça, o meu sentir , esses amadureceram, mas apesar de tudo não me sinto mais feliz e menos solitária, apenas mais resignada. É triste quando nos resignamos… perdemos a força, a luz, a CHAMA…

Embora não tenha verbalizado nada disto com ninguém, devo dizer algo que faz as pessoas, amigas minhas, dizerem que preciso de mudar, ter uma outra atitude… quando pergunto: qual? Dizem-me: ”só tu é que sabes!” Mas eu não sei. Há coisas que não consigo… não quero mudar! Fazem parte de mim, daquilo que sou, e devia saber viver BEM com isso… mas não sei.
Às vezes sinto que possuo uma parte de autismo… de falta de encaixe social… não sou uma “neurotípica pura”. E mudar acarreta várias situações para as quais não estou preparada mas acima de tudo porque não quero e porque acho que há coisas que fazem de mim o que sou.
Mas este estar sozinha no mundo não para! Não descola, não muda!
Apenas queria ser assim e ter quem me entendesse e gostasse de mim…  assim… com defeitos e virtudes… mas é tão difícil… para mim. E não estou  falar de sexo, de namorado ou “what ever”, estou a falar de poder ainda lúcida e capaz usufruir do colo… de alguém, porque acho que mereço. Mas a vida não é justa (outro cliché) e portanto preciso de continuar a amadurecer enquanto esta minha jornada durar.

A maior parte do tempo gostava de adormecer e não acordar, mas até isso não tem a ver com a minha vontade, tem a ver com… chamemos DESTINO!